Das minhas preferidas

Não posso dizer que esta sessão tenha começado da melhor maneira:) Trocámos mensagens, combinámos o sítio mas por uma qualquer razão desencontrámo-nos. Achei estranho o atraso mas não havia atraso nenhum! Estava cada uma em sua ponta da cidade, à espera. Voei para os encontrar, não arranjei lugar à primeira, nem à segunda. Estava um calor de morte e eu só suava de nervos:) Lá dei uma moeda a um arrumador simpático e corri. Encontrei-os tão calmos, tão giros e tão contentes por serem fotografados que o resultado foi este.

A seco

Fui! Para sul onde parece que o tempo pára e o silêncio se faz mais alto. E quando vou desligo. Estava tão cansada que tinha a certeza que se tivesse mais que um foco a coisa ia correr mal. Mal peguei no telemóvel, liguei o computador mas nem cheguei a ver a fotografia do desktop e a máquina fotográfica estava para lá, a um canto. O verão tem tanto de bom quanto de trabalhoso e se não paro enlouqueço. Na verdade tenho que gritar aos sete ventos que as nossas férias não são bem o poster de uma qualquer agência de viagens. O Bartolomeu odeia todos os géneros de água que a estação traz. Berra, esperneia, promete o impossível se o puserem a seco. Bem a seco. Não sai sequer do toldo para ir ver o mar mais de perto. Acaba por brincar sozinho horas a fio enquanto tudo o resto se põe ao fresco. Já lhe prometi deixar-lhe toda a minha herança mas desisti! A Assunção herdou alguns genes do irmão mas tenho uma vaga esperança que a maluqueira leve a melhor e lhe passe a secura. Entretanto já voltei, a loucura voltou e daqui a umas semanas voltamos […]

Preciso urgentemente que nos imprimam. Não tenho tempo para os fotografar, se o faço não apareço e o Lourenço tem a mania de pôr as mãos na cara em sinal de proibição e diz sempre que não está fotografável:) Deve achar que só de smoking é que pode ver flashes:) Além de tudo isto fico com uma inveja, das grandes, quando vejo as vossas dinâmicas radiantes à minha frente!   Continuem a encher a minha agenda e a minha lente que mesmo não sendo fotografada adoro pôr-vos em molduras:)

Milímetro a milímetro

Ando à procura da melhor palavra para isto mas não tenho encontrado. Não que este sentimento, dúbio, que me domina, nas mais variadas áreas da minha vida, me leve a lado algum. Mas assim estou. Sei que não demorará muito tempo até que toquem os narizes ou se olhem nos olhos sem que nenhum deles tenha que dobrar o corpo. São mais de 4 anos de diferença no calendário que não se vêem no metro. Culpa de um, de outro ou da sorte:) Não são raras as vezes em que chega a casa e em flecha vai confirmar se a irmã não o ultrapassou nas 8 horas em que não se viram. Calçam o mesmo, ela já veste mais. Já tantas vezes lhe disse que a altura não importa, que o tamanho de dentro é que conta e faz de nós maiores. Mas só tem 5 anos. Vai ter que palmilhar muito mundo até que a frase lhe faça sentido. Espero que um dia faça mesmo. Até lá estou eu a folhear todos os dicionários a ver se encontro mais latim para explicar ao russo em português que as injecções que leva todos os dias já não são chinês e […]

Cheers!

Não foi só mais um. Não estava só a trabalhar. Estava a absorver tudo. Chorei com eles, ri com eles, arrepiei-me com eles. São família. São da minha família e e não podia estar mais feliz por isso. Um tchim-tchim pelo que aí vem. Sei que será incrível! ♥

Calorias

Ri-me quando me pediram para fotografar para uma capa de livro de sumos. Não que o pacote de pipocas que tinha na secretária, e já a meio, me detivesse na resposta, mas ri-me. Sou uma confessa detentora de falta de vergonha. Tenho todo um armário recheado de gomas, chocolates, chupa-chupas e calorias a mais que abro sem qualquer culpa nas calças apertadas:) Como mais do que parece e menos do que me apetece. Só hoje o folheei. Pelo meio das 270 receitas para os mais variados fins (e nenhuma para a gula:)) percebi que a autora é nutricionista e vive em Barcelona. A vida é tramada e deu-me uma irmã com as mesmas características. Ainda assim o armário vai continuar aberto e eu à espera que ela volte e me diga que vai escrever um livro e me quer para a capa. Mesmo com o armário vazio. ♥
Jun 01

Alinhar chakras

Entreguei o Bartolomeu, hoje de manhã, à educadora e virei costas. No reboliço do dia “mais especial do ano” despachou-me com um beijo rápido e foi à vida dele. Estava já à porta da escola e oiço: – Mãaaaaaeeeeee, vim sem cuecas!! Parei, fechei os olhos numa concentração cega de reconhecimento de voz na esperança do semi-nu não ser meu e rezei qualquer coisa rápida que pagasse a vergonha da cena. Volto-me, muito devagarinho, com um só olho aberto e vejo um miúdo moreno e despenteado de olhos esbugalhados e sorriso a meia haste. Dois metros à frente uma sombra de mãe que só desejaria ter tido uma reunião às 8 da manhã que a impedisse de ir deixar os filhos à escola. Caraças! Um beijo enorme a todas as mães que tentam alinhar os chakras com o desalinho dos filhos. Bom dia da criança!:)
Mai 31

Consolo na mudança

O meu instagram ontem parecia o Oculista das Avenidas. Tanto me queixei das saudades que o azul ia deixar como precisei de algum consolo na mudança:) Não sei ainda quando os vai largar, até lá vamo-nos conformando com o que a hormona lhe dá e lhe tira:) Há dois anos que lhe decoram a cara e nos primeiros dias até pedia para dormir sem os tirar. Não se imagina sem eles, é conhecido por usá-los e os fins de dia são sempre meio turvos:) Já serviram de arma de arremesso quando me contou que os amigos não gostavam de correr com ele porque é o mais lento. Num rasgo de discernimento expliquei-lhe a importância da coisa e que, apesar de tudo, era o que via melhor por ter aqueles óculos-com-super-poderes. Ajeitou as hastes num tique nervoso e brilharam-lhe os olhos e os dentes. Sei que não vou ter sempre esta capacidade de fazer das fraquezas algo maior mas enquanto os nossos problemas forem um recreio em slow motion e um pantone de hastes, está tudo bem:)

O meu melhor decanter

Rendi-me às noitadas, à coca cola e às dores no corpo. Tudo por um brinde bem levantado e bem regado 🙂 Um cheers enorme aos noivos que já me passaram pelo filtro. Vocês são o meu melhor decanter 🙂

Escrever memórias

Finalmente a meteorologia atinou-se e vou poder voltar a escrever as vossas memórias! ‘Bora lá!

Atestado

Adorava não ter os dois em casa doentes e adorava que o S. Pedro não atirasse baldes de água fria a quem já andou de pele ao léu. Estou em casa fechada há 4 dias com diagnósticos dúbios e humores vincados. Apetecia-me passar um atestado de esquizofrenia ao lá de cima e um de limite de doenças para um curto espaço de tempo aos cá de baixo. Vá lá, deixem-me continuar a bombar! Tenho muita gente boa a quem atestar umas gargalhadas ♥ Shooting para A Pipoca Mais Doce
Mai 05

Lindo!

O trabalho no escritório não tem dado muito tempo para me mexer por isso aproveitei que não chovia, pegámos na Assunção e fomos buscar o Bartolomeu à escola, a pé. – Mãe, o dia foi óptimo. – Mãe, hoje aprendi os animais do mar. – Mãe, hoje brinquei com o Manel. – Mãe, estou cheio de calor.  – Mãe, está frio. – Mãe, onde vamos? – Mãe, falta muito? Sentámo-nos a lanchar. – Mãe, quero um queque. – Mãe, posso beber o sumo todo? – Mãe, vou dar uma festinha aquele cão. – Mãe, o cão chama-se Cocas. – Mãe, posso mesmo beber o sumo todo? – Mãe, tenho mais sede. – Mãe, ainda tenho fome. – Mãe, onde vamos a seguir? – Mãe, quando vamos embora? Levantámo-nos para vir para casa. – Mãe, adoro passear. – Mãe, pode vir aqui? – Mãe, espere por mim. – Mãe, mais devagar. – Mãe, está ali outro cão. – Mãe, pode dar-me a mão? – Mãe, olhe isto. – Mãe, adoro passear com a mana. Fomos a uma loja. – Mãe, porque é que parámos? – Mãe, quando vamos para casa? – Mãe…? – Simmmmmmmm!? – Respondo-lhe entre dentes e de cabelos […]
Abr 19

Saudades.

  Saudades do verão. Tantas. Sooting para A Pipoca Mais Doce para Futah.

Triplicar

Há sempre felicidade a triplicar nestes dias. A minha e a vossa que se (des)dobra ♥

Queridos, vou mudar o escritório

Trabalho há 5 anos na mesma mesa, na mesma cadeira, dentro da mesma sala. Embora saiba que é aqui que pertenço sei que há todo um mundo lá fora que eu não vejo por estar presa a esta base que me sustenta a família e o trabalho. Há dias tão confusos que misturo o jantar com as edições, os miúdos com os livros e eu própria balanço entre um estender de roupa, uma noiva ou um telejornal que justifique a prisão a casa. Há tanto tempo que pensava sair mas não tinha para onde nem com quem. Até que a Ana escreveu a mensagem que há muito tempo eu queria receber – ou enviar – mas não tinha coragem: “‘Bora arranjar um escritório?” Acho que não pensei, se quer, na resposta, de tão descolada que já estava aos meus dedos. Sim, vou sair de casa para trabalhar! Que sonho! Continuar a gerir o meu tempo e agora o meu espaço. Vêm connosco a Sónia e a Bárbara e não imagino melhor companhia para esta aventura. Mesmo!  Por agora não podemos contar nada. A Ana Rita Soares já fez os planos 3D – tal como imaginámos – mas ainda estamos em afinações e a […]

Estive a organizar discos. Aquela tarefa infernal a que me sujeito todos os anos antes de começar a loucura dos casamentos 🙂 Juntei, à arrumação, a revisão do meu ano. Voltei a ver tudo. Horas e horas a rir com a felicidade dos outros. Coisa boa! Acabei por perceber que, já naquela fase automatizada de fim de noite, peço sempre a alguém que me tire uma fotografia com a felicidade alheia estampada. Algumas já nem me lembrava que tinha. E apesar de odiar ver-me impressa num 10×15 sei que faz parte de mim pôr-me em tudo. Até em molduras:) Já não tenho muitas datas para os vossos casamentos mas pode ser que nos encaixemos na sorte de nos cruzarmos num e-mail livre de agenda:) Bora lá!  
Mar 18

Amarelo

Vou para o fim de semana com tanta fé no amarelo que não que não quero acreditar que o S. Pedro o molhe de cinzento smile emoticon (e tenho tanta fé no meu cansaço que já nem dou pelos erros a tempo…:)) Shooting for A Pipoca Mais Doce.
Mar 17

Apaixonado

Eram 9 da manhã. No meio de todo o – normal – caos matinal instalado, cada um com a sua tarefa, há sempre uma alminha que vive alheia à escassez de tempo para tanta lista de obrigações, aos dramas das não conjugações de cor do modelito do dia, dos berros da irmã que suplica por brincadeira ou por um nó de gravata tão apertado quanto a falta de tempo. Vejo-o no ritmo, habitual, mas nem por isso não enervante, a vir na minha direcção, tal e qual o imagino a passear num jardim daqui a 70 anos. Passo a passo lá vem ele, já de bibe vestido – para ir encurtando afazeres – e quando me chega aos joelhos diz, enquanto tenta abrir o bolso com aqueles dedos pequenos: – Mãe, – ai não consigo abrir – tenho aqui uma coisa – ah, já está – que ontem me esqueci de mostrar. Brilham-lhe os olhos. E os dentes. – E o que é? (Despacha-te miúdo, ainda não me penteei!) – Um desenho da Kika. Desdobra-o ao mesmo ritmo dos passos que o levaram até mim – que nervos! – Posso ver? – Sim! – O que é? – Eu e ela. […]

HBday

Faz um ano a minha gorda mais querida. Não tenho para eles sonhos nenhuns quando nascem. Só sonho que o momento se prolongue o mais que a minhas hormonais deixarem. Sejam o que quiserem, da maneira que quiserem. Como ainda não consigo completar as linhas de um qualquer caderno do bebé quando me pergunta as aptidões – por não ter, ainda, um qualquer conjunto de caracteristicas que me façam decifrar uma inclinação para o futuro – só lhe consigo esboçar, a lápis e ao de leve para que não se prepetue, um “maluca”🙂 É completamente chanfrada. Atrás daqueles olhos redondos, boca pequena e bochechas carnudas está uma cabeça completamente desvairada. Mesmo. Tem tanto de doce como de raivosa, tanto de simpática como de estuporada, tanto de calma como de eléctrica. Sempre, sempre com graça. Tenho todas as madeiras de casa roídas e conseguiu comer boa parte da esferofive do parque onde, obviamente, brinca o que – só isto – já lhe confere algum grau de loucura. Vive para arrancar os óculos ao Bartolomeu – coisa que, aparentemente e ainda, ele acha graça, para lhe bater, para lhe morder os sapatos, para lhe roubar comida, para o acordar, para lhe arrancar cabeças aos […]

Baixinho

Estou com saudades de um bebé. Calma:) Estou com saudades sim, mas nem tudo o que é distância se torna perto:) Ainda não estou naquela fase de adolescente em que dizíamos à nossa melhor amiga que gostávamos do miúdo mais giro da escola num tom tão em surdina que num ápice se fazia eco. O que até ali era só um achar graça só de o pôr em verbo passava a ser um amor assolapado e eterno. Estou com saudades, é só isso – e espero não ficar assolapada depois de o teclar:) Do tempo que não existe, do amor que não se conta e do tamanho que nos aumenta. O meu bebé, que nunca o foi, faz um ano daqui a dois dias e eu estou apática. Não sei como já passaram 366 dias e ficou assim. Não vi, passou-me ao lado e não volta. É só isto, por enquanto, saudades, tantas, de me caber na palma da mão. ♥ Sessão de Família | Fevereiro 2016